Prefeitura de Lucas avalia abrir pronto atendimento para atender 24 horas pacientes da covid

O Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus debateu, ontem, a possível ampliação do horário do Pronto Atendimento Municipal (PAM) e procedimentos exclusivos a pacientes com sintomas de covid-19. A proposta inicial é montar uma estrutura de enfermaria no PAM para pacientes covid e direcionar os casos de urgência e emergência, como vítimas de acidentes, por exemplo, para o Hospital São Lucas. “Os demais atendimentos de saúde, em geral, continuarão sendo feitos nos PSFs, por isso solicitamos a compreensão e colaboração da população em procurar atendimento no PAM somente com suspeita de covid. Para livre demanda, os pacientes podem ir em qualquer unidade de saúde, inclusive o Tessele que está com atendimento estendido, e também pelo Tele Lucas, que conta com dois médicos para atendimento via whatsapp”, explicou a secretária de Saúde, Fernanda Ventura.

Além das mudanças no PAM, a secretária também tratou sobre a aquisição de novos tipos de exames que devem agilizar a divulgação dos resultados aos pacientes, a demanda atual de oxigênio que está sendo monitorada, as etapas de vacinação que estão ocorrendo criteriosamente conforme o Ministério da Saúde e a importância do uso de medicamentos com eficácia comprovada. Ainda fez um apelo à população. “Precisamos nos cuidar, ter consciência do problema que estamos enfrentando. O uso da máscara é obrigatório, é necessário redobrar os cuidados com a higiene, evitar aglomerações e cumprir todas as medidas. O que temos visto é um descaso, é ir para praças, aglomerar em festas, tentando enganar a polícia, mas os profissionais de saúde continuam lá atendendo. Só que não adianta depositar as esperanças somente nestas pessoas, precisamos todos colaborar”, destacou a secretária.

O promotor de Justiça, Daniel Carvalho Mariano, também participou da reunião de forma remota e contribuiu com sugestões e orientações. “Há mais de um ano estamos tentando explicar, mas a população não tem colaborado, inclusive negando a história e a medicina, e sem pensar nas consequências. Trabalhar é necessário, mas se, eventualmente, a população não parar de festar, sair, passear, isso vai atrapalhar quem precisa trabalhar. Não é o poder público que quer atrapalhar as pessoas de trabalhar, quem está atrapalhando as pessoas de trabalhar é quem não está respeitando as medidas de biossegurança e causando um aumento no número de casos. Se você defende não ter lockdown ou medidas rígidas, então cumpra as medidas de segurança para que isso não seja necessário, tenha compaixão pelo trabalhador, autônomo, empresário, que precisa atuar neste momento para ter dinheiro para levar o pão para casa”.

O prefeito Miguel Vaz informou que está avaliando todas as alternativas para ações mais eficientes e eficazes durante a pandemia. “Ainda que o poder público tenha feito todos os esforços, proporcionado mais espaços de atendimento, mais leitos, seja UTI ou enfermaria, ampliando os serviços, cumprindo e orientando sobre as medidas dos decretos estaduais, avaliando todas as possibilidades, inclusive com novos testes, fazendo parcerias com a iniciativa privada, boa parte da população parece ainda não ter entendido a situação grave que estamos passando, no município, estado e país. O que vemos hoje é uma falta de conscientização. Vamos continuar orientando, mas também vamos intensificar a fiscalização”, destacou Vaz.

Lucas do Rio Verde é uma das 19 cidades do estado que apresentam risco “muito alto” de contágio da covid.