Família sofre há 90 dias sem notícias sobre desaparecimento de agrônomo em MT

Publicado em 02 de agosto de 2017 às 08h:02

Após quase 90 dias do desaparecimento do agrônomo Eder Tadeu Maciel, de 28 anos, sua família ainda busca respostas sobre seu paradeiro. O caso é investigado pela delegada Luciana Canaverde, da Polícia Civil de Água Boa, e segue sob sigilo. Sem novas informações, a polícia trabalha com todas as hipóteses.

Leticia Maciel, esposa de Éder, afirma que a polícia não tem novas pistas sobre o sumiço de seu marido. Ela e vários amigos do agrônomo também já se mobilizaram nas buscas.

O agrônomo Éder Tadeu Maciel está desaparecido desde o último dia 5 de maio. O seu desaparecimento foi registrado depois que ele abandonou seu veículo, modelo Sandero de cor prata em uma plantação aos fundos da Fazenda Água Boa. O rastreador do carro mostra que Eder saiu por volta das 5h da manhã de sexta, passou em uma madeireira e pegou a BR-158. Após dez quilômetros na rodovia, entrou em uma estrada vicinal de terra, que dá acesso aos fundos da Fazenda Água Boa e é usada para chegar à MT-240 (sentido Nova Nazaré).

Ali, o Sandero andou cerca de quatro quilômetros, saiu da pista, entrou na lavoura, bateu em uma pedra e teve o pneu dianteiro furado. Por volta das 10h da manhã o pneu foi trocado, mas o motorista não conseguiu retirar o veículo de lá. Desde então não se tem notícias do agrônomo.

A última informação sobre o desaparecimento é que Éder foi visto pedindo carona na rodovia. A Polícia Civil afirma que até o momento, as investigações apontaram que não há sinais de crime com violência e trabalham com todas as possibilidades, inclusive com a de que Éder tenha fugido por vontade própria. Caso alguém tenha alguma informação, é só entrar em contato anonimamente pelo 190 Polícia Militar ou 197 Polícia Civil.